Ligue Agora! (11) 3995-3736

O plano de saúde é obrigado a cobrir o tratamento de infertilidade? Entenda

Lidar com a descoberta de uma infertilidade não é nada fácil, independentemente da situação. Se a pessoa ainda sonhava em se tornar mãe ou pai, a situação se torna ainda pior e mais dolorida. A boa notícia é que existe uma boa saída para esses casos: o tratamento de infertilidade.

Se você está ponderando seguir por esse caminho, mas não sabe se o plano de saúde faz essa cobertura, então está no lugar certo. Vamos desvendar essa e outras questões neste post. Vamos lá?

 

O plano é ou não obrigado a cobrir um tratamento de infertilidade?

A Justiça Brasileira obrigou os planos de saúde a oferecerem o tratamento de infertilidade para casais que apresentarem essa dificuldade. Essa medida surgiu como um reflexo das diversas ações que aconteceram nos últimos anos, movidas por casais que não podem ter filhos e querem o tratamento.

Convenhamos: a situação já é muito delicada e fazer o tratamento nos meios particulares pode ser incrivelmente caro. Para você ter noção, os valores podem variar de R$ 10 mil a R$ 20 mil, uma quantia um tanto quanto significativa.

Como a infertilidade é considerada uma doença, acaba sendo obrigatório que o plano de saúde faça a cobertura. Ainda assim, a análise desse ponto pode dar abertura para várias interpretações, então o trâmite judicial pode acontecer em alguns casos.

 

Como agir nessa situação?

A primeira medida é atestar a sua dificuldade de gerar um bebê. Para isso, vá a uma clínica de confiança e peça que eles façam um diagnóstico formal sobre a situação. Tendo esse documento em mãos, fica mais fácil fazer a solicitação de cobertura para a operadora do plano.

Se o plano de saúde se recusar a cobrir o procedimento, entre em contato com um advogado que já tenha experiência nesse tipo de processo. Essa é a melhor maneira de fazer com que o plano arque com a medicação, exames, intervenção e todos os detalhes do parto.

Para você ter noção, o advogado já pode pedir de cara uma liminar que faz com que você já comece a realizar todos os procedimentos custeados pelo plano. Essa liberação é rápida e costuma acontecer dentro de 10 dias.

Caso a sentença seja ganha, o casal ganha todo o tratamento, inclusive inseminação artificial, fertilização in vitro e todos os outros procedimentos necessários. E mais: tudo isso pode ser feito quantas vezes forem necessárias.

 

Quais são as alternativas?

Entre os tratamentos mais comuns temos a inseminação artificial, fertilização in vitro, relação sexual programada e transferência de embrião congelado.

O médico é o responsável por orientar o casal sobre qual seria a melhor alternativa, como agir e como o casal deve prosseguir durante todo o período — inclusive em casos de sucesso de uma gravidez.

 

Como evitar dores de cabeça com a cobertura?

Para evitar toda essa situação, você também pode escolher o plano de saúde certo e ser assistido segundo suas necessidades. Uma seguradora é uma ótima opção nesse caso, já que ela pode instruir sobre os planos mais adequados e, de quebra, ainda falar sobre como agir nessa situação.

Portanto, não perca tempo e procure uma boa opção disponível no mercado. Essa ainda é a melhor maneira de lidar com essa situação com mais facilidade.

Depois de entender melhor como os planos de saúde lidam com o tratamento de infertilidade, não deixe de se programar para não sofrer com essa dor de cabeça. Você ainda vai se agradecer por se preservar de mais esse desgaste.

Para conhecer uma boa seguradora para você, não perca tempo e entre em contato conosco agora mesmo. A Giovani Seguros tem o suporte de que você precisa!

 

Clique aqui e solicite orçamento expresso. Entraremos em contato em 10 minutos.